serra d’el rei · projecto de reabilitação

Reabilitar um edifício representativo da nossa Arquitectura Popular com custos controlados, legitima uma reabilitação respeitadora. Uma ideia que rentabiliza o edificado sem o descaracterizar. A ideia para esta casa passa por incorporar um antigo pátio murado cujo telhado já existe. A casa passa funcionalmente de um L para um quadrado. Pretende-se que a casa se relacione fortemente com o logradouro, ou seja, a cozinha e a nova sala estão orientados para o logradouro, a antiga sala de receber passa a funcionar como um escritório ou um possível quarto.

A area que tinha quatro compartimentos em paredes de tabique passa a concentrar o máximo de conteúdos programáticos e resolver toda a circulação e distribuição vertical. Esta área passa a ter uma instalação sanitária, a possibilidade de ter um ou os dois compartimentos térreos, uma escada de acesso aos dois quartos do piso 1 e a um espaço por cima da instalação sanitária para aproveitar ao máximo o pé-direito disponível. A instalação sanitária aproveita a luz e ventilação da janela que dá para a estrada nacional. A escada pretende ser mínima e obter do seu volume um arrumo que mesmo pequeno é vital existir.

Na cozinha processam-se alterações ao espaço de modo a adquirir mais luz; da porta do antigo forno abre-se uma janela para a sala; a porta para a sala será uma moldura de madeira com o vidro o maior possível e a antiga porta para o vizinho é transformada numa janela de luz artificial. Na sala as duas novas janelas de sacada, a nova porta interior de acesso e a porta da cozinha determinam os eixos de circulação e dividem a sala em dois espaços de permanência. A sala é o espaço de relacionamento com a cozinha e com o logradouro, o espaço interior de eleição em que o telhado de duas águas resulta da manutenção formal das paredes que formavam o antigo pátio.

O Logradouro é um espaço preparado para rentabilizar o máximo de terreno vegetal, e para isso impõe-se o traçado de um caminho pedonal que começa na entrada junto ao estacionamento automóvel, serve a casa e acaba no anexo. O caminho divide em dois o terreno arável e pode lançar caminhos secundários para rentabilizar as plantações pretendidas. O Poço e o Tanque em pedra são recuperados. É proposta uma “ilha” em deck de madeira, uma zona de permanência no exterior que permita visualizar todo o logradouro e mantenha a permeabilidade do solo.

O Anexo é uma tipologia híbrida longitudinal que parte do principio que pode ser encerrado e transformado numa pequena casa com sala, um balcão de cozinha e um quarto/suite. Tem ainda um arrumo/tratamento de roupas. O Projecto valoriza a reabilitação, assume o lugar e a originalidade deste património. A economia de meios é rigorosa, a contenção qualifica e estrutura a estratégia da proposta de arquitectura.

arquitectura: Susana Catarino / Hugo Azevedo

localização: Serra d’El Rei, Peniche

cliente: Ana e Pedro Leal

projecto: 2009

construção: 2010